Em seu momento

15 degraus. Ou 16, talvez se enganara na conta. Estavam os dois sentados na escadaria e Ele sentia uma enorme tensão que o levava a desviar seus pensamentos para contar degraus ou qualquer coisa que o preenchesse a mente. Ao seu lado, Ela fuçava inquietamente no celular, obviamente também envolta no mesmo pensamento. Ambos em silêncio, a expectativa era maior do que os segundos que precedem um duelo faroeste.

Tal situação se dava porque, no dia anterior, Ela decidira enfim se declarar para ele, que não soube como reagir – evidentemente. Enquanto mil coisas iam e voltavam da sua cabeça naquele momento, bolava uma saída para refletir sobre o que acabara de ouvir e adiou a decisão. Ou seja, aumentou a tensão e o levou ao presente momento. Agora, menos de 24 horas depois, se encontrava decisivamente ao lado dela, sozinhos, onde estava claro que deveriam ali se resolver.

Ele não sabia mais por quanto tempo duraria aquele silêncio insuportavelmente pesado. Resolveu dar um passo, mas não seria tão direto:

– Você não tem nada pra me falar?

Ela hesitou em responder e Ele pode jurar ter visto o reflexo de um sorriso em sua expressão.

– Não. – Ela respondeu, como uma voz um pouco trêmula.

Ele insistiu: – Não? Então está tudo certo do jeito que está? Nada a ser dito e tudo bem?

– Claro que não está tudo certo. – Ela o olhava como quem sabia onde chegariam, mas não se sentia muito segura diante da situação.

– Então, se não está certo… – Era necessário insistir, Ele pensava.

– Então o que?

Entreolhavam-se enquanto a expectativa crescia para ambos, e para ele, os pensamentos em sua cabeça se enredavam de maneira tão nebulosa que não conseguiria explicá-los nem em mil anos. E assim, beijou-a. Durante o beijo, seu pensamento se esvaziou da nebulosidade e se resumiu ao momento único.

Quando terminaram, o sorriso dela já não era mais apenas um reflexo e ele novamente mergulhava em pensamentos, fitando as mãos dadas. Percebendo que nem todos os momentos podem se encaixar em roteiros de filmes já vistos, que o fim nunca é certo ou não se deduz tão facilmente para onde os personagens serão conduzidos. Porém, os dois personagens ali juntos, em seu segundo de futuro imprevisível, eram marcantes. E únicos.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s